quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Alunos também se preocupam com os rumos da greve!
















Na assembléia de ontem, tivemos também a grata presença de muitos alunos!
===================================================


Professores estaduais em greve estão contestando a versão do governo de Minas, divulgada nesse final de semana, em informe publicitário de página inteira nos jornais impressos de Belo Horizonte e nas emissoras de TV, sobre o pagamento do piso salarial fixado pelo MEC.

O contracheque de um professor, divulgado hoje na internet, tenta provar que o piso em Minas está abaixo do valor informado pelo governo.

Veja a reprodução abaixo, do professor Euler Conrado Silva Junior, que tem formação de nível superior.




















O salário é de R$567,04 por 24 horas semanais. O professor recebe também vantagens que elevam a remuneração a R$969,50. Portanto, ainda abaixo do piso informado pelo governo, que é de R$1.122,00 para 24h de um professor de nível médio, no novo modelo remuneratório implantado em janeiro.

Aí vêm os descontos. Entre eles, o de 22 dias não trabalhados em junho, a partir do dia 8, quando a greve começou, no valor de R$346,29.

Resultado, o professor Euler recebeu, líquidos, R$477,16.

Nessa manhã, a coordenadora do Sind-UTE, Beatriz Cerqueira, deu entrevista à Rádio Itatiaia, dizendo que espera que o governo abra negociações e não encare o movimento grevista como uma queda de braço. A este blog, ela afirmou que “os professores esperam apenas que o governo de Minas cumpra a decisão do Supremo Tribunal Federal”, que, em abril, definiu o piso salarial nacional da categoria como vencimento inicial.

Cerca de 70 mil professores, até 25 de julho, optaram por seguir recebendo pelo sistema remuneratório antigo, sem o subsídio, que reúne salário e todos os benefícios do servidor num valor único.

O informe do governo diz que “os sindicalistas têm o direito de não concordar com o valor do piso estabelecido pelo MEC para todo o país, mas não é correto dizer que ele não é cumprido em Minas”. Afirma também que “o valor pago pelo governo de Minas aos professores com nível médio é, proporcionalmente, 57,55% superior ao estabelecido pelo piso nacional (...) Além disso, o governo de Minas abriu concurso para preencher 21 mil vagas para profissionais da Educação. O salário inicial para professores da Educação básica com licenciatura plena é de R$1.320,00 para 24 horas semanais, valor proporcionalmente 85% superior ao piso nacional”.

A nota confirma ainda, sobre o corte do ponto, que, “como previsto na legislação, as faltas estão sendo lançadas e os dias não trabalhados não serão pagos, a não ser que haja um acordo e as aulas sejam integralmente repostas”.

Fonte: Blog do Benny
Para saber mais acesse este blog, este e este também.

Um comentário:

LEIA: o Jornal do José Elias Issa disse...

Olá Profª Rose

O governador agora quer usar a escola apenas com alunos dos 3º anos. E ele irá fazer com os outros alunos?!


Direto de "Brogodó de Minas" - El Cordel Enganado


"GARGALHADA NACIONAL"

Nosso "rei" agora quer oferecer ensino público e gratuito apenas para alunos que estão concluindo o Ensino Médio.
Será se ele esqueceu da Constituição Federal, do direito de GREVE, da LDB, do ECA, do respeito aos outros alunos e de seus familiares ??? Cadê o MINISTÉRIO PÚBLICO, onde está a ALMG (Assembleia Legislativa de Minas Gerais)???


Em respeito a verdade: o nosso contracheque

Cadê o P-I-S-O GOVERNADOR ???

"Nas grandes batalhas da vida, o primeiro passo para a vitória é o desejo de vencer."
Mahatma Gandhi

"Sem PISO, não PISO na escola."

abraços
Gleiferson Crow
LEIA: o Jornal do José Elias Issa
http://leiajeissaeemg.blogspot.com/